terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Os dois menos de 2009




Não são péssimos, atenção. São apenas dois livros que não foram escritos por escritores. São livros amadores e em que se faz sentir a falta de ritmo e de noção da estrutura narrativa. O mesmo é dizer que se tornam ligeiramente enfadonhos e difíceis de terminar. Ainda assim acabei-os e posso dizer que de ambos retirei qualquer coisa. O primeiro caberia, quanto a mim, na definição de literatura juvenil de aventuras. Já o segundo insere-se no tipo de temas que tenho explorado e procurado mais nos últimos anos e que têm a ver com religião(ões), misticismos, Deus(es). Este segundo trouxe-me muito mais do que o primeiro, mas desiludiu-me um pouco.  

4 comentários:

t i a g o disse...

Tenho ouvido opiniões muito variadas sobre A Cabana, que tenho em minha casa à espera para ler. A única maneira será mesmo ler, para eu próprio ficar a saber se gosto ou não :) Até porque isto das leituras, muitas vezes, é muito relativo!

Boas leituras!

Tiago

Tathynha™ disse...

Como cada um tem seu gosto... Eu gostei muito de A Cabana... Foi até mesmo indicação do meu pai... um devorador de livros...
Gostei muito da visão mostrada no livro...

Luz de Estrelas disse...

Susie, tenho de perguntar: como é essa de livros escritos por escritores e por amadores? Queres dizer que os primeiros o fazem profissionalmente e os segundos como passatempo?

Susie disse...

Luz das Estrelas, ambos os autores escreveram apenas este livro e mais nenhum outro e nem planeiam voltar a fazê-lo, pelo que li. Foram histórias que surgiram, que escreveram e que mostraram a amigos e familiares sem qualquer intenção de publicar. Por acasos do destino acabaram a ser publicados e "A Cabana" tornou-se até um bestseller mundial. É nesse sentido que os designei como amadores. Claro que a designação vale o que vale, nem estas minhas "críticas literárias" pretendem ser mais do que simples opiniões pessoais - quem sou eu... - mas sente-se em ambos falta de experiência narrativa, falta da fluidez que se observa nos escritores que vivem da escrita, (profissionais portanto).